CNJ aposenta compulsoriamente juiz acusado de assédio sexual
Sede do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), em Brasília | © Gil Ferreira/AgênciaCNJ

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) puniu ontem, por unanimidade, o juiz Marcos Scalercio, do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT-2), de São Paulo, a uma pena de aposentadoria compulsória com vencimentos proporcionais ao tempo de serviço, por acusações de assédio sexual, devido a gravidade dos fatos.

Prefeitura de Curitiba usa drone para localizar possíveis focos do mosquito transmissor da dengue

O processo administrativo disciplinar aberto contra Scalercio envolveu acusações de assédio sexual por três mulheres: uma ex-aluna, uma funcionária do TRT-2 e uma advogada, que teriam ocorrido 2014 e 2020. A aposentadoria compulsória é a pena disciplinar mais grave aplicada a juízes.