A Delegacia de Rio Branco do Sul, na Região Metropolitana de Curitiba, concluiu o inquérito que investigava a morte de três pessoas eletrocutadas. O caso aconteceu no último dia 4, na piscina de uma chácara em Capirú da Boa Vista. Segundo a Polícia Civil, a responsável pelo local foi indiciada por homicídio culposo (quando não há intenção de matar), lesão corporal culposa e falsidade ideológica. As vítimas que morreram no local foram identificadas como Roseli da Silva Santos, de 40 anos; Emily Raiane de Lara, de 23, que estava grávida; e Agner Cauã Coutinho dos Santos, de 17.

A tragédia aconteceu quando a família estava em uma piscina que foi atingida por um cabo de alta tensão, que rompeu após a queda de um galho, durante um mal tempo. Além das três mortes, dez pessoas ficaram feridas e foram hospitalizadas. Dois dias depois da tragédia, o parque aquático Cavassin Piscinas anunciou o fechamento definitivo. Pelas redes sociais, a administração do parque alegou falta de “condições psicológicas e mentais” para manter as atividades no local.