Em fórum econômico na China, Darci Piana destaca vantagens competitivas do Paraná
Em fórum econômico na China, Darci Piana destaca vantagens competitivas do Paraná | © Vice-Governadoria

A delegação do Governo do Paraná deu continuidade neste sábado (09) à missão de negócios na China com uma série de encontros com representantes governamentais e potenciais parceiros comerciais na cidade portuária de Xiamen, na costa Sudeste do país asiático. A agenda mais importante do dia foi a abertura do 1º Seminário de Cooperação Econômica e Comercial entre as províncias chinesas e os estados brasileiros, que contou com a participação do vice-governador Darci Piana.

O evento em Xiamen marca o início de um novo ciclo de cooperação entre Brasil e China, com ênfase em pautas de sustentabilidade e desenvolvimento sustentável, contribuindo para o fortalecimento das relações entre a China e os estados brasileiros. A Apex Brasil convidou os parceiros chineses a participarem do Brazil Investment Forum 2023, que acontecerá nos dias 7 e 8 de novembro, em Brasília, reforçando ainda mais os laços comerciais e de investimento entre as duas nações.

Licenciamento de veículos com placas final 3, 4 e 5 vence neste mês

O líder da comitiva paranaense apresentou aos participantes dados sobre a economia do Estado que tornam o tornam um grande atrativo para investidores e importadores. Ele destacou o crescimento econômico do Paraná nos últimos anos, alcançando o quarto maior PIB do Brasil, e o potencial logístico do Estado, aliado à sua localização estratégica, com fácil acesso a cerca de 284 milhões de consumidores do Mercosul.

Entre outros aspectos, Piana citou o projeto da Nova Ferroeste, com mais de 1.500 quilômetros de ferrovias para escoamento da safra do Paraná, Mato Grosso do Sul e Santa Catarina, o novo pacote de concessões rodoviárias, que com seus cerca de 3,3 mil quilômetros é considerado o maior da América Latina, além da existência de 42 aeroportos no Paraná. Ele também informou que o Porto de Paranaguá, que já é o segundo maior do Brasil em movimentação de cargas, deverá receber investimentos de US$ 1 bilhão ao longo dos próximos 25 anos.

Com informações da AEN.