Em Londrina, Bibliocircuito 24 homenageia Clarice Lispector em ampla programação
Foto: Fábio Alcover/ Divulgação

Nesta quinta, sexta-feira e sábado, dia 16, 17 e 18 de maio, respectivamente, a Biblioteca Pública Municipal “Prof. Pedro Viriato Parigot de Souza”, localizada na avenida Rio de Janeiro, 413, irá receber palestras, debates, instalações artísticas, sarau cênico-musical, performance de poesia oral e apresentação teatral. As atividades fazem parte da programação do “Bibliocircuito 24 – Perto do Coração Selvagem de Clarice Lispector”, que celebra vida e obra da renomada escritora. Nesta quinta-feira (16), as atividades começam às 19 horas, no prédio da biblioteca, com a abertura oficial do Bibliocircuito 24 e da instalação Figurações do Inominável. Documentos e fotos ligadas a Clarice estarão suspensos na parte alta da biblioteca, e o público poderá acessar por meio de um mecanismo de contrapeso.

No mesmo dia, às 19h30, também na biblioteca, começa a conferência “Ver e ler Clarice Lispector”, com a escritora Nádia Battella Gotlib. Em seguida, ocorrerá uma sessão de autógrafos do livro “Clarice na Memória dos Outros”, de autoria de Gotlib. Na sexta-feira (17), às 19 horas, na Biblioteca Pública, a atriz Mariana Lima participa de forma remota do debate sobre “A paixão segundo G.H.” no teatro. Logo em seguida, inicia a conferência “‘Sou eu – ainda?’ – A despersonalização e a perda da forma em ‘A paixão segundo G.H.’”, com a escritora e crítica de arte Veronica Stigger. Mais tarde, às 20h30, em frente à biblioteca, haverá uma performance de poesia oral “O direito ao Grito”, apresentação do resultado da oficina coordenada por Luli Mc e Érica Paiva Rosa, com participação de Mister Rei e da Sound Kombi.

E no último dia do Bibliocircuito 24, sábado (18), será realizada às 10 horas uma sessão de diálogo com o tema “Sentidos do demasiado humano em Clarice”. Participam a pós-doutora em Psicologia Social e doutora em Literatura Brasileira, Cris Torres, que vai falar sobre “‘É que não contei tudo’: Clarice Lispector e as bordas do humano”, e também o professor titular de Ciências da Religião da UFJF e estudioso de Mística e Literatura, Faustino Teixeira, com o tema “Clarice e o chamado ancestral”. Ainda no sábado (18), às 15h, no Espaço Villa Rica, localizado na rua Piauí, 211, será exibida uma sessão especial do filme “A Hora da Estrela”, seguido de um bate-papo com a escritora Veronica Stigger, na Sala Londrina. Os ingressos para o filme podem ser comprados no local, mas o bate-papo é aberto ao público.

Às 18h30, nas sacadas da Biblioteca Pública, será apresentado o sarau cênico-musical “Restos de Carnaval”. A performance resulta da oficina de música e artes de mesmo nome, coordenada por Paulo Vitor Poloni e Carin Louro. Para fechar a programação, às 19h30, o ator mineiro Odilon Esteves conduz o espetáculo solo “Na sala com Clarice”. A apresentação será na Sala José Antonio Teodoro, dentro da biblioteca, com entrada gratuita e lotação limitada. “Na sala com Clarice” é um espetáculo que propõe ao público um cardápio literário composto por doze contos e crônicas de Clarice. Na apresentação, Odilon escolhe cinco textos, sendo uma opção como “entrada”, dois “pratos principais”, uma “sobremesa” e um “cafezinho” de finalização. As obras selecionadas compõem um panorama de múltiplas facetas da autora, incluindo narrativas para poder perceber a própria Clarice em diferentes fases de sua vida.

Odilon Esteves, ator e criador da peça, explicou que uma das referências foi o trabalho interativo “Cartas Marcadas”, realizado por Luciano Lupe e Ivana Andress em Belo Horizonte, no início dos anos 90. Outra inspiração para a peça ocorreu quando o ator foi a um restaurante em Porto Alegre e ficou encantado com a forma como o restaurante combinava artes plásticas com a cozinha. A experiência proporcionada, na ocasião, era comparável à vivência artística no teatro. “Como a obra da Clarice é vasta e estava chegando o centenário dela, queria fazer uma peça que pudesse ser como com um cardápio, em que as pessoas pudessem escolher quais pratos vão comer, qual a sobremesa, qual entrada, se desejam ou não um café ou um chá ao final. Seria um cardápio de textos da Clarice, incluindo contos e crônicas, porque são textos que têm início, meio e fim, e são mais curtos”, revelou.

Bibliocircuito 24 – Com o tema “Perto do Coração Selvagem de Clarice Lispector”, o projeto Bibliocircuito está em sua segunda edição. Essa ação cultural tem como objetivo difundir a literatura e a prática da leitura, contribuindo para a formação de um público leitor que aproxima a população dos livros, por meio de debates públicos, oficinas e eventos artísticos. De acordo com a coordenadora de Atendimento, Extensão e Eventos da Secretaria Municipal de Cultura (SMC), Tatiane Santos, o Bibliocircuito é um projeto que trabalha a cultura em diversos aspectos. “Toda essa ocupação da biblioteca é maravilhosa, pois podemos contemplar a cultura viva pulsando por meio dessas atividades, atendendo públicos diversos e oferecendo expressões artísticas variadas para os frequentadores”, comentou. Com informações do N.Com.