No Paraná, empresa que arrematou área no Porto de Paranaguá anuncia investimento de R$ 572 milhões
Foto: Foto Roberto Dziura Jr_AEN

A Liquipar Operações Portuárias, que arrematou no ano passado a área PAR 50 do Porto de Paranaguá, no Litoral, vai investir R$ 572 milhões para triplicar a capacidade de escoamento de líquidos pelo terminal, especialmente de combustíveis. O anúncio foi feito ao governador Carlos Massa Ratinho Junior (PSD), que recebeu na terça-feira (11), no Palácio Iguaçu, a diretoria da empresa e também da Toyota Tsusho do Brasil, uma das companhias do grupo japonês Toyota e que trabalha em parceria com a Liquipar em outros projetos.

O investimento é maior que o previsto inicialmente. Arrematada por R$ 1 milhão no leilão feito na Bolsa de Valores, a área deveria receber um montante mínimo de R$ 338,2 milhões em obras de ampliação da capacidade operacional. Ela tem cerca de 85 mil metros quadrados e capacidade atual de 70 mil metros cúbicos de armazenagem, devendo passar para 210 mil metros cúbicos. “É muito importante receber esse investimento de mais de meio bilhão de reais da Liquipar, em uma área do porto que, pelo potencial que tinha, era pouco utilizada. Levamos a leilão na Bolsa de Valores e o grupo que ganhou a concessão vai fazer esse grande investimento, inclusive para ampliar o espaço de atracação de navios”, destacou Ratinho Junior. “E além ter a armazenagem de combustíveis líquidos, também poderá receber gás natural, ampliando a capacidade de movimentação de mercadorias pelo porto”.

O sócio controlador da Liquipar, Cleiton Santos Santana, explicou que o investimento inicia pouco tempo depois de a empresa assumir a área oficialmente, o que ocorreu há dois meses. “Vamos triplicar a capacidade estática de armazenagem, passando de 70 milhões de litros atuais para 205 milhões de litros, com a implantação de novos tanques com capacidade 140 milhões de litros”, explicou. “Também vamos construir o novo píer para escoar esses produtos, tanto na exportação quanto na importação de combustíveis”.

CONCESSÕES – Desde 2019, cinco áreas do Porto de Paranaguá foram concedidas à iniciativa privada e leilões de outras três áreas portuárias estão previstos para ocorrer ainda neste ano. A concessão dá maior segurança jurídica e operacional ao porto, pois permite investimentos nessas áreas feitos pelas empresas vencedoras, a exemplo do previsto pela Liquipar. O terminal sob concessão da empresa é voltado para a movimentação de produtos líquidos, como diesel, biodiesel e outros volumes químicos. “A Liquipar representa hoje um importante ativo para a movimentação de líquidos e com esses investimentos em uma nova tancagem e um novo berço de atracação teremos condições de ampliar cada vez mais o volume de cargas, atendendo não apenas o Paraná, mas todos os estados que dependem do Porto de Paranaguá para suas importações e exportações”, ressaltou o presidente da Portos do Paraná, Luiz Fernando Garcia.

A Portos do Paraná se prepara para oferecer ao mercado mais três áreas para armazenagem de granéis sólidos vegetais. As concessões do PAR 14, PAR 15 e PAR 25, atreladas à primeira fase do píer T, devem aumentar a capacidade de movimentação e armazenagem no Porto de Paranaguá, que já acumula recordes de movimentação. As três áreas são destinadas à movimentação e armazenagem de granel sólido de origem vegetal (soja, milho e farelo entre outros), e estão previstas e zoneadas no Plano de Desenvolvimento e Zoneamento do Porto de Paranaguá (PDZ). O PAR 14 é a junção de três áreas que totalizam aproximadamente 49 mil metros metros quadrados. Já o PAR 15 é o terminal onde hoje opera a Cargill e conta com área aproximada de 40 mil metros quadrados. O PAR 25 é uma junção de duas áreas que operam uma ao lado da outra.

A partir dos leilões dessas áreas, a Portos do Paraná poderá executar a primeira fase do píer em T. A estrutura contará com dois novos berços, com capacidade de movimentação que pode chegar a 16 milhões de toneladas por ano cada. Agregado à nova infraestrutura, também está em análise a expansão do berço 212, o que evitará perda de infraestrutura no Corredor de Exportação, ampliando a capacidade operacional em mais de 150%. Com informações da AEN.