Setor de serviços cresce 11,8% no Paraná de janeiro a agosto, afirma IBGE
Setor de serviços cresce 11,8% no Paraná de janeiro a agosto, melhor desempenho do Sul | © José Fernando Ogura

O setor de serviços cresceu 11,8% no Paraná nos oito primeiros meses do ano em comparação ao mesmo período de 2022. O levantamento é da Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) divulgada nesta terça-feira (17) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O resultado é o melhor da Região Sul e o segundo melhor de todo o País. O Estado ficou atrás apenas de Mato Grosso, que alcançou crescimento de 18,1% no acumulado de janeiro a agosto de 2023 – o terceiro melhor resultado do Brasil foi de Santa Catarina, com aumento de 10,3%. O índice paranaense também ficou acima da média nacional, cujo crescimento no mesmo período foi de 4,1%.

Na variação mensal do PMS, o Paraná foi um dos oito estados que apresentou em agosto crescimento no setor de serviços, que engloba atividades como transporte, alimentação, salões de beleza, viagens, entre outros. O Estado teve a segunda maior variação positiva, com aumento de 0,4% em comparação com o mês de julho, também ficando atrás somente de Mato Grosso, com 7,5%. Na terceira colocação, logo atrás do Paraná, ficou o Rio de Janeiro, com crescimento de 0,2%. Já a média nacional teve retração de 0,9%.

Inflação oficial fica em 0,26% em setembro, diz IBGE

No comparativo de agosto de 2023 com o mesmo mês de 2022, o Paraná teve variação positiva de 9,8%. A variação também deixou o Estado na segunda colocação nesse levantamento, atrás novamente do Mato Grosso, com 26,3%. Na terceira colocação ficou Santa Catarina, com 7,1%. Na média nacional, o volume avançou apenas 0,9%.

No acumulado nacional de oito meses, quatro das cinco atividades pesquisadas pelo PMS tiveram taxas positivas. As contribuições mais importantes foram nos ramos de informação e comunicação (4,8%), transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio (4,2%), serviços profissionais, administrativos e complementares (4,5%), serviços prestados às famílias (4,7%). A única influência negativa no levantamento do acumulado dos oito primeiros meses foi no setor de outros serviços (-0,4%).

Com informações da AEN.