Vereadores de Londrina aprovam cursos de defesa pessoal nas escolas municipais
As aulas deverão ser ministradas por profissionais capacitados, mediante a disponibilidade do quadro de servidores do município ou por meio de contratação específica. Foto: Devanir Parra/CML/Imprensa

A Câmara Municipal de Londrina aprovou em primeiro turno, na sessão de terça-feira (20), projeto de lei (PL) da vereadora Prof.ª Flávia Cabral (PP) que autoriza a Prefeitura a criar e promover cursos de defesa pessoal para professores e outros servidores da rede municipal de educação. O PL nº 72/2023 recebeu votos favoráveis de todos os parlamentares presentes na sessão (17 votos). Abre-se agora prazo de sete dias úteis para apresentação de emendas (modificações) pelos vereadores antes do segundo turno de deliberação.

A autora do projeto defende que Londrina crie uma forma de garantir a seus servidores condições técnicas de autoproteção e proteção dos alunos, não como forma de substituir a segurança pública, mas no intuito de capacitá-los para as adversidades infelizmente vivenciadas nas escolas brasileiras.

“Já temos discutido esse projeto há algum tempo com a comunidade escolar. Nós sabemos que a escola reverbera a violência da sociedade e em muitos momentos nos deparamos com profissionais da área da educação muito angustiados, pela forma de violência que vem se estabelecendo, ameaçando a própria vida dos profissionais. Não é apenas o professor, mas aqueles que trabalham no ambiente escolar. Já vimos casos de zeladores atacados por alunos. Também de professores, porque o aluno não gosta da nota, ele agride o professor. Infelizmente, nos últimos anos, até atentados em escolas”, afirmou Flávia Cabral, professora há mais de 20 anos.

Segundo a vereadora, a participação no curso será opcional. “Se um profissional da área da educação quiser se capacitar na área de autodefesa, como ele pode fazer? Alguns têm uma remuneração bastante expressiva, outros nem tanto. Então, de forma gratuita, fazendo uso da própria máquina que nós temos na Secretaria de Educação, ou na FEL (Fundação de Esportes de Londrina), podemos ofertar. O curso de defesa pessoal para mulheres, que foi indicado por mim à FEL, foi implementado e foi um sucesso, tanto é que já foi feito três vezes”, disse.

O vereador Mestre Madureira (PP) ressaltou a importância de um debate posterior também sobre os conteúdos dos treinamentos. “É muito importante que a gente, além de introduzir esse trabalho, também faça um trabalho de conscientização, para que a pessoa entenda o que é defesa pessoal. A defesa pessoal não consiste em você enfrentar, afrontar e confrontar. Às vezes o gesto de correr, se proteger no momento ideal, também é uma forma de defesa pessoal. É legal depois indicar ao Executivo o conteúdo ideal para a autodefesa”, sugeriu.

Conforme o PL nº 72/2023, as aulas deverão ser ministradas por profissionais capacitados, mediante a disponibilidade do quadro de servidores do município ou por meio de contratação específica. Também segundo a proposta, os professores de Educação Física do quadro de servidores do município poderão receber formação complementar para ensinar defesa pessoal aos servidores da rede municipal de ensino. O projeto prevê ainda que as despesas para a execução da lei serão cobertas por dotações orçamentárias próprias da Secretaria Municipal da Educação destinadas à formação dos profissionais da pasta. Com informações da Câmara Municipal de Londrina.