Com aporte de R$ 5,2 milhões, Paraná inicia projeto para conter cheias do Rio Iguaçu
Foto: Geraldo Bubniak/AEN

O governador Carlos Massa Ratinho Junior (PSD) assinou, na quinta-feira (20), em União da Vitória, no Sul do Paraná, o protocolo de intenções para a contratação do anteprojeto para contenção de cheias no Rio Iguaçu. Em busca da solução mais viável, o documento vai levar em consideração os 17 estudos existentes para minimizar os impactos das enchentes na região. O investimento do Governo do Estado apenas nesta etapa é de R$ 5,2 milhões, com prazo de 45 dias para a contratação da empresa responsável. A partir disso, são 10 meses para a elaboração do anteprojeto indicando a melhor proposta técnica, que pode ser única ou por meio de diferentes intervenções, incluindo túneis, canais extravasores, diques, denotações de rochas, desassoreamento e alargamento do rio.

“Estou muito motivado para buscar a melhor solução para amenizar esse problema crônico das enchentes, que atormenta a população de União da Vitória há mais de 50 anos. Motivado porque sei que teremos os melhores profissionais para encontrar o projeto mais adequado com base em estudos de especialistas capacitados para isso”, destacou o governador Ratinho Junior, em entrevista à AEN. “Não é uma solução fácil, por isso peço um pouco mais de paciência da população. Mas tenham certeza: vamos tirar do papel e diminuir esse problema que assola União da Vitória”, acrescentou.

Com base na nova Lei de Licitações, de 2021, a intenção é que a obra possa começar já em 2025, com a emissão das primeiras licenças ambientais e a instalação do canteiro de obras. Paralelamente, será elaborado o projeto de executivo, que terá como base a solução indicada pelo anteprojeto. O Instituto Água e Terra (IAT), autarquia vinculada à Secretaria de Estado do Desenvolvimento Sustentável (Sedest), será responsável pela obra, com suporte da Secretaria de Estado do Planejamento via Paraná Projetos.

“O anteprojeto é muito importante porque é ele que vai nortear a busca pela solução mais adequada do ponto de vista técnico, financeiro e ambiental para o Rio Iguaçu. A resposta certa para diminuir o drama quase meio século de milhares de paranaenses e catarinenses”, afirmou o secretário estadual do Desenvolvimento Sustentável, Everton Souza. “Chegamos a um momento em que nunca se chegou: de contratar o estudo definitivo que vai nos dizer o que devemos fazer e como devemos fazer. Com ciência e técnica, sem bravatas, juntando todos os estudos que já existem. A verdade é que não havia projeto para solucionar o problema de União da Vitória, agora vai existir”, completou.

CHUVAS FORTES – Em outubro do ano passado, as chuvas intensas elevaram o nível do Rio Iguaçu em diferentes pontos causando estragos em diversas cidades, sendo União da Vitória a mais prejudicada – aproximadamente 40% da área do município foi alagada, danificando cerca de 20 mil residências. Porto União, em Santa Catarina, também teve problemas com a cheia, com moradores desabrigados. Essa foi a segunda maior cheia da história na cidade, com o Iguaçu alcançando 8,38 metros, mais de três vezes o nível normal, que é de 2,5 metros. Extensão maior havia ocorrido apenas em 1983, quando o rio chegou a 10,42 metros.

Um levantamento feito pela Coordenadora da Defesa Civil do Paraná mostrou que, de 1º de outubro a 1º de novembro de 2023, 157 municípios foram prejudicados pelas chuvas em todo o Estado. O prejuízo total estimado, incluindo perdas no setor público e privado, foi de R$ 829,6 milhões. Com informações da AEN.