Governador Ratinho inaugura contorno rodoviário de Jandaia do Sul no valor de R$ 178 milhões
Foto: Jonathan Campos/SECOM

O governador Carlos Massa Ratinho Junior (PSD) inaugurou, na quinta-feira (13), o contorno de Jandaia do Sul. Com um investimento de R$ 178,5 milhões, a conclusão e liberação total da nova rodovia, que possui seis quilômetros de extensão, retira o tráfego pesado do Centro da cidade, na região do Vale do Ivaí. A intervenção beneficia os seus mais de 21 mil moradores e os viajantes que transitam pela região, além de facilitar o transporte de cargas entre o Noroeste e o Litoral do Paraná.

“Este é um contorno que não atende apenas a cidade de Jandaia do Sul, mas todo o corredor rodoviário por onde passam 45 mil veículos ao dia entre o Norte e o Noroeste do Estado em direção à Capital e aos portos paranaenses”, declarou Ratinho Junior em entrevista à AEN. O governador também citou outras obras viárias já concluídas ou em andamento, como os contornos de Peabiru, Cascavel, Castro, Pato Branco, Wenceslau Braz e Francisco Beltrão, o novo contorno Sul de Curitiba, além do recém-lançado contorno de Palotina, como parte de uma estratégia maior de modernização da infraestrutura estadual. “É um grande volume de obras justamente para diminuir o número de acidentes no perímetro urbano e trazer mais eficiência no trânsito rodoviário”, acrescentou.

A nova rodovia inicia logo após o limite de Jandaia do Sul com o município vizinho de Cambira e segue até o trevo rodoviário da BR-376, no acesso para Mandaguari, com a rodovia BR-369, que serve de acesso ao distrito de São José. Os seis quilômetros do contorno possuem pistas duplicadas em cada sentido. Elas são separadas por um canteiro central e têm acostamentos em ambos os lados e espaços para drenagem. A intervenção também inclui cinco novos viadutos e obras de contenção. O prefeito de Jandaia do Sul, Lauro Silva Junior, comemorou a conclusão das obras após cerca de dois anos e meio. “Depois de muitos anos de acidentes neste trecho da BR-376, muitos com vítimas fatais, com esse apoio do Governo do Estado a população terá mais segurança a partir de agora, em especial aqueles que moram na região da Vila Rica, que é formada por dez bairros”, disse.

De acordo com o secretário estadual da Infraestrutura e Logística, Sandro Alex, o contorno de Jandaia do Sul faz parte de um pacote estratégico de intervenções em uma das principais rodovias que cortam o Estado. “A BR-376 é uma das grandes artérias do Paraná e por isso tem recebido investimentos em inúmeros trechos. Isso faz com que a produção paranaense possa chegar com mais rapidez e segurança ao Porto de Paranaguá”, comentou. “No segundo semestre, faremos o leilão de mais um lote das novas concessões rodoviárias que deverão injetar R$ 10 bilhões em melhorias nesta rodovia”.

ACORDO – Prevista inicialmente para ser executada pela concessionária Viapar durante a vigência dos antigos contratos de concessão do Paraná, a obra só teve a sua execução assegurada após uma articulação do Governo do Estado, que obteve um acordo judicial por meio do Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná (DER/PR) com a antiga concessionária que administrava a BR-376 na região. A decisão foi homologada em 2021 pela Justiça Federal com parecer favorável do Ministério Público Federal.

O presidente do DER/PR, Fernando Furiatti, explicou que o contorno de Jandaia do Sul integra um pacote de três grandes obras viárias do acordo judicial firmado entre o Governo do Estado e a Viapar. Em 2023, sob a fiscalização do DER/PR, a Viapar entregou o primeiro deles: o novo contorno rodoviário de Peabiru, na região Noroeste. A rodovia liga a PR-317 ao Norte da cidade com a PRC-158, ao Sul, sendo uma alternativa para o tráfego de longa distância não cruzar o perímetro urbano do município, que tem quase 14 mil habitantes de acordo com dados do Censo 2022.

Falta agora à empresa a implantação do Contorno de Arapongas. “Até o momento, foram feitas desapropriações necessárias para o início da construção do contorno na maior parte da área de intervenção prevista. Algumas desapropriações restantes tramitam na justiça, mas não são um empecilho para a realização da obra, cabendo à Viapar garantir o cumprimento do acordo judicial”, esclareceu Furiatti. Com informações da AEN.